Pensamentos e Reflexões

Nessa página, você encontrará reflexões sobre diversos temas da psicologia, tendo como ponto de partida, frases e pensamentos de alguns autores. Esperamos que essas reflexões sejam frutíferas e gerem novas reflexões!!

0
0
0
s2smodern
  • O Mosaico chamado Vida Open or Close

    O Mosaico chamado Vida

    Através dessa frase de Osho, podemos pensar, mais uma vez, que não temos o controle total dos acontecimentos e não podemos planejar milimetricamente quais são os passos que damos em nossa vida, o que pode gerar ansiedade, principalmente quando estamos diante de desafios que encontramos na caminhada.

     

    Escolhemos trazer também uma outra reflexão: no final de 2019 escrevemos uma história intitulada “O tecelão e seu desafio", em que o tecelão percebeu que os fios assumiam uma direção diferente da qual esperava e mesmo com sofrimento e um misto de sentimentos, ele conseguiu construir um mosaico ao qual deu o nome de VIDA.

     

    O nosso desafio é construir esse mosaico no momento presente, em cada instante, com as experiências que vivenciamos no mundo externo e com o que guardamos dentro de nós. Essa construção pode ser desafiadora, mas também pode nos levar a lugares novos e transformadores.

     

    Vamos continuar a construção do nosso mosaico?

     

    Quem quiser ler a história “O tecelão e seu desafio", na íntegra,  clique aqui: está em nosso Instagram.

    Boa leitura!!!

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • O Fazedor de Chuva Open or Close

    O Fazedor de Chuva

    “Numa cidade do interior da velha China, ocorreu uma terrível estiagem. Os rios, as barragens, os açudes iam secando; o gado, as cabras, os bodes, a vegetação, tudo ia morrendo. O povo passava fome, com as crianças desnutridas, intensificava-se a mortalidade infantil. Diante de tamanha calamidade pública, a Câmara de Vereadores se reuniu procurando uma solução. Um dos vereadores sugeriu que se contratasse um “fazedor de chuva” que atendia em um centro mais desenvolvido da região. A Câmara autorizou o vereador a fazê-lo.

    Ao chegar à cidade, o prefeito perguntou ao fazedor de chuva quanto cobraria para realizar o milagre da chuva. Respondeu ele: a soma acertaremos depois. Por ora, faço duas exigências: que me arranjem um lugar afastado da cidade, uma pequena cabana onde possa repousar e que me tragam diariamente um pão e um copo d’água. Atendidas as exigências, o fazedor de chuva, sozinho na cabana, concentrou-se em profunda meditação.

    Passados 15 dias, as chuvas chegaram, os rios botaram água, os açudes sangraram, o verde voltou à paisagem, os animais se reanimaram e a alegria voltou às ruas.

    A Câmara de Vereadores prestou todas as homenagens ao Fazedor de Chuva e quis saber dele como havia conseguido o extraordinário milagre.

    Respondeu ele: Ao chegar a esta cidade, encontrei as pessoas completamente angustiadas, as mentes perplexas, alteradas, divididas, neuróticas. Naquelas circunstâncias pedi o que de melhor vocês podiam oferecer e com maior sacrifício: uma cabana tranquila, o pão e um copo d’água. Distanciado da neurose coletiva, concentrado, meditando, estava imune às tensões vividas pelo povo. Recebia o que precisava. E como estava inteiro, com a mente em paz, não dividida, naturalmente fui atraindo as coisas boas. As Chuvas chegaram até mim e por extensão a toda a cidade e região.”

     

    A estiagem na cidade retratada no texto acima pode ser comparada ao momento de Pandemia de Covid-19 e isolamento que todos estamos vivenciando. Assim como no texto, muitas mentes devem estar angustiadas.

    Diante disso, o conto nos faz pensar que o desafio talvez seja realizar um movimento de introversão, de entrar em contato com os próprios sentimentos e com as profundezas da alma, para que cada um de nós possa encontrar aquilo que nos move adiante.

    Irene Aparecida F. Mendes e Thaís Mendes Sinibaldi

     

     

  • O Movimento: Necessidade do corpo e da Psique Open or Close

    O Movimento: necessidade do corpo e da psique

    Essa frase nos permite realizar inúmeras reflexões. Hoje, escolhemos fazer uma analogia entre ela e a nossa vida psíquica. Na perspectiva Junguiana, a psique não é estática, e sim, dinâmica e por isso está em um processo constante de desenvolvimento. Abaixo, um poema sobre o tema para tentar promover e ampliar nossas reflexões.

     

    O movimento
    O movimento está presente em cada pequeno momento e acontecimento do cotidiano...

    Ele pode assumir várias modalidades, pequeno ou grande, rápido ou devagar, para frente e para trás, de um lado para o outro, mas cada um cumpre sua função e é importante para que a VIDA continue a habitar e a ocorrer no nosso interior...

    É como uma dança, que nos acompanha em cada uma das nossas andanças, trazendo a nós uma boa dose de esperança...

    É preciso tentar não olhar cada queda ou passo considerado “errado”, como uma piora ou regressão.

    Da mesma forma, é preciso ter em mente que a progressão também pode não ser exclusivamente evolução e desenvolvimento.

    Mas talvez haja uma certeza: O movimento é necessário ao nosso corpo e à nossa psique, e deve ser cultivado para que diariamente olhares sejam multiplicados e ampliados.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • "Como posso enfrentar o isolamento?" Open or Close

    "Como posso enfrentar o isolamento?"

    Mestre, como posso enfrentar o isolamento?

    -Limpe sua casa. A fundo. Em todos os cantos. Mesmo aqueles que você nunca teve vontade, coragem e paciência de tocar. Torne sua casa brilhante e cuidada. Tire a poeira, as teias, as impurezas. Até as mais escondidas. Sua casa representa a si mesmo: se você cuida dela, você também se cuida.

    - Mestre, mas o tempo está longo. Depois de cuidar de mim através da minha casa, como posso viver o isolamento?

    - Conserte o que se pode consertar e elimine o que você não precisa mais.

    Dedique-se à colcha de retalhos, borde suas calças, costure bem as bordas desgastadas dos seus vestidos, restaure um móvel, conserte tudo o que vale a pena reparar.

    O resto, jogue fora. Com gratidão. E com consciência de que o seu ciclo acabou. Arrumar e eliminar fora de você permite consertar ou eliminar o que está dentro de você.

    - Mestre, e depois o quê? O que posso fazer o tempo todo sozinho?

    - Semeia. Até uma semente em um vaso. Cuide de uma planta, regue-a todos os dias, fale com ela, dê um nome, tire as folhas secas e as ervas daninhas que podem sufocá-la e roubar energia vital preciosa. É uma maneira de cuidar de suas sementes interiores, dos seus desejos, das suas intenções, dos seus ideais.

    - Mestre e se o vazio vier me visitar?... Se vier o medo da doença e da morte?

    - Fale com eles. Prepare a mesa para eles também, reserve um lugar para cada um de seus medos. Convide-os para jantar com você. E pergunte-lhes por que eles vieram de tão longe para sua casa. Que mensagem eles querem lhe trazer? O que eles querem comunicar a você?

    - Mestre, acho que não consigo fazer isso...

    - Não é o isolamento seu problema, mas sim o medo de enfrentar seus dragões interiores. Aqueles que você sempre quis afastar de você. Agora você não pode fugir. Olhe nos olhos deles, ouça-os e você descobrirá que foi colocado contra a parede. Você foi isolado para poder falar consigo mesmo.

    Como as sementes que só podem brotar se estiverem sozinhas.”

    O texto acima é de autor desconhecido e foi um post extraído e adaptado de Zen Toyo.

     

    Reflete-se que a casa apresentada no texto acima pode ser comparada à casa interior de cada um nós, onde há os conteúdos mais profundos que nos habitam. Esse texto nos faz um convite a enfrentar a difícil tarefa de realizar um diálogo interior com os nossos próprios medos. Trata-se de um processo árduo, mas extremamente importante e de algo que pode levar um tempo particular para cada um, mas, sem dúvida, pode constituir o início de um caminho em direção à própria transformação.

    Irene Aparecida F. Mendes e Thaís Mendes Sinibaldi

     

     

  • Dialogando com as novas polaridades Open or Close

    Dialogando com as novas polaridades

    Os acontecimentos que ocorrem em nossa vida podem gerar diversos sentimentos, podendo ser considerados “positivos” ou “negativos”, de maior ou menor intensidade...

     

    O contato com esses sentimentos é uma aventura, pode ser doloroso, dar medo e levar tempo... Porém, esse contato também pode gerar movimentos importantes...

     

    Podemos refletir que cada um desses contatos constituem uma oportunidade de conhecer e reconhecer partes de nós mesmos, descobrir novas potencialidades e novas maneiras de nos relacionarmos com os outros, e também ver aquilo que já não funciona ou que necessita de mudança...

     

    Através do olhar por novas polaridades, podemos ampliar nossa consciência e também ter um maior contato com o que o nosso interior nos revela! Vamos continuar a nossa caminhada de bicicleta e tentar dialogar com os diversos elementos que encontrarmos pelo caminho?

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • A Coragem: Parceira no processo de movimento e de transformação Open or Close

    A Coragem: parceira no processo de movimento e de transformação

    Vamos continuar a nossa reflexão sobre movimento?

    Essa frase de Guimarães Rosa nos permite reafirmar que a VIDA está em forma, talvez possamos pensar que nós também estamos em movimento dentro da VIDA, em nosso processo constante de desenvolvimento e criação...

     

    O processo de se movimentar e se transformar, certamente, exige coragem. Coragem para enfrentar as dores, as partes de nós que, por vezes, não queremos tocar ou ver, para que possamos prosseguir na caminhada em direção à VIDA e ao nosso interior...

     

    Porém, há que se levar em conta também que pode haver momentos em que a coragem fica esmorecida e nesses momentos, podemos dizer que é preciso respeitar o próprio tempo e o processo que percorremos para encontrar novas forças dentro de nós...

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Jornada em direção à nossa alma Open or Close

    Jornada em direção à nossa alma

    Hoje, escolhemos essa frase do autor José Saramago e com ela, pode-se pensar no quão importante e significativa é a jornada que os seres humanos empreendem em direção ao conhecimento da própria alma, e todas as particularidades que esse processo integra.

     

    Por um lado, reflete-se que dar passos em direção a si mesmo não será sempre fácil e nem sempre algo repleto de felicidade. Por outro, esse processo pode constituir um momento de ampliação de consciência e dos horizontes, em que visitamos e exploramos novas partes de nós mesmos o que, por sua vez, pode resultar em transformações e em novas formas de enfrentamento dos acontecimentos.

     

    Vamos enfrentar esse desafio de explorar as diversas partes de nós mesmos?

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • O Confronto Open or Close

    O Confronto

    Estamos sempre conhecendo novas partes de nós mesmos...

    Esperamos que o pequeno poema e a frase abaixo, possam contribuir para que sejam realizadas cada vez mais reflexões...

     

    O confronto

    Quanto mais nos aprofundamos, mais nos dilaceramos, realizamos diariamente o ato de nos despedir das formas ou funcionamentos antigos que já não propiciam mais o movimento que o momento necessita...

    Esse ato, muitas vezes, pode gerar dor e fazer com que tenhamos um confronto com o nosso interior...

    Justamente por não ser algo que é dado e pronto...

    É sim, um processo que integra em si várias facetas e, muitas vezes, exige amor e coragem...

    Amor para acolher a dor e para se abrir para si e para o outro, e todos os mistérios que o nosso interior pode nos revelar...

    E a coragem será uma das nossas parceiras na viagem às profundezas que estão dentro de nós... Essa viagem pode ter dor, mas também pode gerar inúmeras riquezas e mostrar infinitas possibilidades...

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • A Travessia Open or Close

    A Travessia

    Esperamos que a frase e o pequeno poema abaixo, sobre a travessia, sejam uma ponte para que cada um reflita sobre o tema.

     

    A Travessia

    A travessia é um processo, único e diverso...

    A travessia pode ter espinho, mas também pode revelar a beleza de uma nova flor...

    A travessia pode ter tropeços, mas também pode ser repleta de recomeços...

    A travessia pode ter dor, mas também pode ser algo transformador...

    Nela, pode também ter o Amor pelas novas descobertas e novas portas que forem abertas...

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • A Travessia e as Transições ao longo da Vida Open or Close

    A Travessia e as Transições ao longo da Vida

    Vamos conversar sobre transições em nossas vidas e a travessia que percorremos?

     

    Ao longo da nossa vida, passamos por diferentes fases e momentos de transição que podem ser inúmeros, como: a passagem da infância para a adolescência, a entrada e saída da escola, a entrada na faculdade e posteriormente no mercado de trabalho, a entrada na vida adulta, a chegada de um (a) filho (a), a passagem para velhice, o luto por um ente querido, entre tantos outros momentos.

     

    Todas essas situações geralmente constituem momentos novos que muitas vezes nos fazem ter que descobrir novas formas de lidar e funcionar que não conhecíamos ou não usávamos antes e, assim, podemos repensar, criar, recriar e renascer, dando novos contornos a nós mesmos.

     

    A travessia, de modo geral, é repleta de dificuldades, mas também, podemos encontrar inúmeros tesouros e potencialidades. Portanto, a travessia, apesar de um trabalho árduo, pode ser uma oportunidade riquíssima de nos conectar com o que há de mais profundo e valioso em nós. O poema acima, de Fernando Pessoa “Tempo de Travessia “ nos desperta essas e tantas outras reflexões. Uma coisa que podemos prestar atenção é o uso que o poeta faz da palavra tempo e, disso, podemos depreender que, para que a travessia aconteça, é muito importante respeitar o tempo de todo esse processo.

    Boas reflexões a todos!!

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Você já conversou com a sua criança interior? Open or Close

    Você já conversou com a sua criança interior?

    (Imagem extraída do banco de imagens Unplash)

    Você já conversou com a sua criança interior hoje? Ouça o que ela quer lhe dizer.

     

    Para continuar nossa reflexão, resolvi trazer essa frase de Jung: "Em todo adulto espreita uma criança eterna, algo que está sempre vindo a ser, que nunca está completo, e que solicita, atenção e cuidados incessantes. Essa é a parte da personalidade humana que quer desenvolver-se e tornar-se completa”.

     

    Quando dialogamos com a criança interior que existe em nós, podemos lidar melhor com as situações novas que nos cercam, ter mais flexibilidade, despertar e utilizar a criatividade, e descobrir novas potencialidades que estão "adormecidas" ou "escondidas"

     

    O desafio talvez seja conciliar o planejamento e as responsabilidades da vida adulta com as demandas que a criança interior também apresenta, mas é muito importante e necessário que esses dois lados sejam estimulados e balanceados. Feliz dia das crianças a todas as pessoas!!!

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • As fases da Vida e o nosso interior Open or Close

    As fases da Vida e o nosso interior

    Vamos continuar conversando sobre as transições ao longo da vida? Hoje, escolhi esse trecho de um poema de Carlos Drummond de Andrade:

    "Vamos, não chores.

    A infância está perdida.

    A mocidade está perdida.

    Mas a vida não se perdeu.

    O primeiro amor passou.

    O segundo amor passou.

    O terceiro amor passou.

    Mas o coração continua"
    (Carlos Drummond de Andrade)

     

    De certa maneira, ele nos fala dessa passagem de tempo que ocorre com todos nós e isso pode gerar conflitos e momentos difíceis, os quais, por sua vez, podem ser acompanhados de sentimentos, como a tristeza. Assim, devemos dar o tempo e o espaço que eles precisam para que possam se expressar. Permitam-me ampliar mais um pouco o que autor nos colocou, de modo que, apesar de fases como a infância, a adolescência e a juventude terem passado para algumas pessoas, podemos pensar o seguinte: todas essas fases não estão “perdidas” e, sim, continuam dentro de nós e fazem parte do processo de como nós fomos nos constituindo como pessoa, mesmo que às vezes isso esteja um pouco escondido, e não consigamos acessar com tanta facilidade. Outra coisa que podemos pensar é que, às vezes, a criança ou o jovem que um dia fomos podem nos “visitar” novamente e, se nos abrirmos para recebê-los, poderemos ter novas perspectivas.

     

    Um último ponto que gostaria que pensássemos é o seguinte trecho que o autor colocou: “Mas o coração continua” e, desse modo, podemos refletir que é muito importante que, em qualquer fase da vida, possamos nos conectar com o nosso coração, com o que há de mais profundo no interior da nossa alma, e que faz com que a VIDA pulse com mais força e esperança, dentro de nós.

     

    Desejo que esse pequeno texto gere mais reflexões a cada um!!

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • As faltas que nos habitam Open or Close

    As faltas que nos habitam

    Através dessa frase, podemos realizar uma importante reflexão:

    Estamos percorrendo uma travessia em busca de algo que nos move e nos faz ser quem nós somos e ainda seremos. A busca não é, e não será sempre fácil, também terá dificuldades, espinhos e tropeços os quais também integram o processo. Que no preenchimento dos espaços vazios da jornada, possamos nos transformar com cada tropeço, mas que também saibamos apreciar as belezas que encontramos pelo caminho.

     

    Deixamos aqui uma excelente indicação de leitura para refletir sobre as faltas, os espaços vazios e a importância de fazer a travessia. É o livro “A parte que falta”, de Shel Silverstein, da editora Companhia das Letrinhas.

     

    Boa futura leitura a todos e que as reflexões com esse pequeno texto acima possam ser frutíferas.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • O cultivar, o regar e o tempo Open or Close

    O cultivar, o regar e o tempo

    Vamos refletir sobre o tempo?

     

    Para auxiliar nessa reflexão, escolhemos essa bela frase de Saint Exupéry e podemos pensar que cada processo tem um tempo, o qual deve ser respeitado e acolhido. Vejamos a rosa: ela, no início, é uma semente que leva um tempo para crescer e se desenvolver como flor. Ela precisa ser regada e cuidada atentamente. O nosso processo de desenvolvimento psíquico pode ser semelhante a isso, já que temos que regar nossa alma com o que necessitamos para desenvolver “nossas sementes”, as potencialidades e qualidades, e também acolher as dificuldades e necessidades de desenvolvimento. E não nos esqueçamos de entrar em contato com os espinhos, que podem representar as partes da nossa psique que ainda são obscuras para nós e, por vezes, difíceis de serem enfrentadas.

     

    Vamos pensar como estamos fazendo nosso trabalho de plantio interior e se estamos respeitando o tempo que a nossa flor precisa para o seu desenvolvimento?

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • A Vida e o seu refazer Open or Close

    A Vida e o seu refazer

    Esperamos que o pequeno poema e a frase abaixo possam promover reflexões sobre o nosso refazer diário, o qual pode ser um desafio, mas também pode proporcionar diversas transformações.

     

    A vida e o seu refazer
    A vida talvez seja como um mosaico, onde cada pedaço tem sua função, mesmo que não saibamos exatamente a direção que eles irão tomar.

     

    Mas o mais bonito de tudo talvez seja que, a cada amanhecer, nós temos a oportunidade de renascer, nos reinventar e descobrir novas formas de ser. Mesmo em meio à neblina e ao caos, esse constante refazer pode nos surpreender, proporcionando cada vez mais novos olhares e ampliações para um mesmo fenômeno.

     

    Esse refazer também pode ser um ótimo canal para que nos aprofundemos na relação que estabelecemos com os outros e com o nosso interior, e isso pode revelar várias belezas e acrescentar uma nova cor ao mosaico que diariamente construímos dentro de cada um de nós.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • A Aurora, o renascer e a esperança Open or Close

    A Aurora, o renascer e a esperança

    Hoje, escolhemos essa frase! Vamos pensar o que ela tem a nos dizer? Assim como o dia tem o nascer e o pôr do sol, podemos dizer que nós também passamos por transformações ao longo de nossa Vida. A cada mudança psíquica, podemos passar por novos nascimentos, por meio do conhecimento de novas partes de nós mesmos.

     

    Também têm momentos em que temos que nos despedir de formas antigas para poder se transformar.

     

    Esse processo pode ser doloroso , custoso e pode levar tempo, mas não nos esqueçamos de que, além do nascer e pôr do sol, temos a aurora, que constitui o brilho a partir da escuridão e a oportunidade de renascimento, com força e esperança.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Os vários recomeços da Vida Open or Close

    Os vários recomeços da Vida

    Hoje, temos esse belo excerto de Carl Gustav Jung e, com ele, podem ser realizadas inúmeras reflexões. Escolhemos refletir o seguinte:

     

    Todos os dias estamos na nossa caminhada por conquistas, sejam externas ou internas.

     

    Com relação àquelas que ocorrem em nosso mundo interior, podemos pensar que, a cada dia, há uma nova oportunidade para ampliar nossa consciência e conhecimento que temos acerca de nós mesmos. O importante é continuarmos na caminhada por mais conquistas, sobretudo internas, e termos em mente que, a cada dia que vivemos, temos uma nova oportunidade de transformação no encontro com o outro que nos cerca e conosco mesmo.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Renascer: um convite diário Open or Close

    Renascer: um convite diário

    O renascer é um fenômeno esplêndido e sublime. Ele pode ocorrer todo dia, quando se tem a possibilidade de ver o sol nascer novamente e a aurora surgir após a noite escura.

     

    Mas esse renascer ocorre somente fora de nós?

     

    Se observarmos bem atenta e cuidadosamente, podemos ver que o renascimento frequentemente pode ocorrer no nosso interior, a cada vez que nos abrimos para conhecer o mais verdadeiramente possível as partes que nos habitam!

     

    Nosso interior pode se renovar também em cada momento que, na relação com o outro, permitimos que nossa personalidade também se desenvolva.

     

    Ah, além disso, ele pode acontecer quando experimentamos novas perspectivas para visualizar o mesmo fenômeno e, assim, ampliar nossa consciência.

     

    Enfim, inúmeras e infinitas são as possibilidades desse renascer, que pode acontecer, mesmo quando estamos tristes, nos falta força e isso parece algo impossível.

     

    Renascemos a cada instante que deixamos mais VIDA entrar na nossa VIDA e o renascer constitui um convite diário ao desenvolvimento psíquico e a ser mais humano, considerando o outro e a nós mesmos, nas mais variadas dimensões. Que o renascimento de cada um de nós seja cada vez mais frutífero!!!”

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Imagens do processo de transformação: da semente à flor, do casulo à borboleta Open or Close

    Imagens do processo de transformação: da semente à flor, do casulo à borboleta

    Vamos aprofundar nossas reflexões sobre o processo de transformação? Para isso, escolhemos essa frase de Rubem Alves e, a partir dela, podemos pensar em inúmeras imagens.

     

    Quando pensamos em uma semente, por exemplo, podemos ter em mente que ela tem um ciclo onde nasce, cresce e morre. Isso acontece em nosso processo de transformação também, já que estamos constantemente crescendo e, muitas vezes, temos que abrir mão de certas coisas ou mudar de posição para que a mudança psíquica possa ocorrer.

     

    A borboleta também é uma imagem interessante quando pensamos nesse tema da transformação, porque primeiramente ela é lagarta, constrói seu casulo, para depois se tornar uma borboleta, e isso também leva um certo tempo para ocorrer.

     

    Assim é o processo de transformação, único e com um tempo particular, em que o indivíduo é protagonista da sua própria história e do processo que diariamente está construindo. E nós, como psicólogas (os) e/ou futuras (os) psicólogas (os), desempenhamos, entre outras funções, o papel de respeitar o tempo de cada processo e acompanhá-lo com acolhimento, ética, seriedade, paciência e delicadeza.

     

    Sigamos refletindo!

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • A Espiral do Processo Terapêutico Open or Close

    A Espiral do Processo Terapêutico

    Como psicólogas (os) ou ainda futuras (os) psicólogas (os), somos convidados diariamente a realizar reflexões sobre como se dá o processo terapêutico e sobre as particularidades que este possui.

     

    Para refletir sobre esse processo, retomaremos a visão Junguiana de desenvolvimento psíquico. Segundo essa abordagem terapêutica, o desenvolvimento não é estático e, sim, dinâmico, isto é, ocorre em forma de uma "espiral", com regressões e progressões.

     

    Em se tratando do processo terapêutico, essa questão é levada em conta, e o terapeuta deve, portanto, estar preparado para acompanhar a jornada do cliente/paciente e, por vezes, percebe-se que é preciso retomar um mesmo ponto diversas vezes, acolhendo as dores e podendo ampliar a consciência. Outro aspecto importante a ser considerado é que cada cliente/paciente tem seu próprio tempo para elaboração de suas vivências psíquicas, o qual, muitas vezes, pode se configurar como algo diferente do tempo cronológico e a (o) terapeuta deve estar atento e respeitar esse tempo particular de cada um.

     

    A construção de uma boa relação terapêutica entre o terapeuta e seu cliente/paciente é de fundamental importância para que o processo seja efetivo, e pode-se refletir que essa relação se faz e refaz continuamente a cada "encontro", e a transformação ocorre em uma via de mão dupla, estendendo-se não só ao cliente/paciente, mas também, ao próprio terapeuta.

     

    Decidimos inserir essa colocação de Marie- Louise Von Franz, com o intuito de refletir sobre a prática como psicoterapeutas: “Ser terapeuta é, antes que profissão, principalmente uma exigência interior, uma paixão pela alma humana, um modo de viver a sua criatividade, pois a prática da análise é uma arte, a arte de criar alma...” (VON FRANZ).

     

    Com essa frase, conseguimos reafirmar o quão ética e responsável é a missão de entrar em contato com as profundezas da alma e com o sofrimento do outro Humano que se coloca diante de nós e é nesse trabalho, que vamos também criando a nossa alma e nos tornando ainda mais humanos.

     

    Irene Aparecida Ferreira Mendes- CRP- 06/27449-1

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • O sapato de cada um: reflexões sobre a singularidade e o processo terapêutico Open or Close

    O sapato de cada um: Reflexões sobre a singularidade e o processo terapêutico

    Vamos refletir sobre a singularidade e como isso se reflete no processo terapêutico

     

    Para isso, hoje escolhi essa frase de Jung e, através daquilo que ele nos coloca, podemos refletir que não existe um padrão ou algo que funcione para todos. Um aspecto importante, ao qual devemos nos atentar, é o trecho: "não existe uma receita para a vida que sirva para todos". Uma das reflexões possíveis com esse trecho é a extrema importância da valorização da singularidade.

     

    É muito importante que nós, psicólogas (os) e/ou futuros psicólogos, tenhamos isso em mente. Permitam -me utilizar outras imagens relacionadas ao sapato, para ampliar a reflexão: Temos que, ao máximo, tentar entender quem é a pessoa que usa esses sapatos, onde esses sapatos já foram, onde estão nesse momento, onde desejam ir, quais os passos que já deram, quais os tropeços que já ocorreram, entre outros. Cada pessoa tem características que a tornam única e tem uma narrativa singular de VIDA, dessa forma, nenhuma história é igual a outra. E a nós, psicólogos e/ou futuros psicólogos, cabe a função de escutar e dar voz a essa narrativa para que ela seja constantemente aprofundada e transformada.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Reflexões sobre a relação entre o paciente e o psicólogo Open or Close

    Reflexões sobre a relação entre o paciente e o psicólogo

    Hoje, escolhemos esse excerto de Jung, tão belo e que nos fala de algo tão importante: sobre os diversos encontros e as relações que ocorrem ao longo da nossa VIDA. E hoje, no dia do (a) psicólogo, convidamos a todos para refletir sobre o encontro que ocorre no processo terapêutico: entre a pessoa que procura terapia e o (a) próprio (a) psicólogo (a).

     

    Esse encontro ocorre entre duas almas, com particularidades singulares, que se juntam e, com isso, há a criação de um espaço singular, único e, ao mesmo tempo, diverso e construído ao longo do processo.

     

    Permitam-nos colocar algumas reflexões sobre o trecho: "Se alguma reação ocorre, ambos sofrem uma transformação". Esse trecho suscita diversas reflexões, mas hoje queremos nos concentrar na reflexão sobre o nosso papel enquanto psicoterapeutas e/ ou futuros psicoterapeutas.

     

    Ao recebermos um paciente, procuramos conhecer sua história, acolher suas dores e potencialidades e acompanhar a transformação que ocorre ao longo do tempo.

     

    Também é importante ressaltar que temos que ter uma abertura para ouvir, sem julgamento e, a cada história que ouvimos, também temos a possibilidade de nos transformar e a nossa alma vai ganhando novas profundidades e cores nesse fazer diário, que é tão valioso, e nesse mosaico, criado pelo paciente e seu terapeuta.

     

    Feliz dia do (a) Psicólogo (a) a todos (as)!!!- 27/08/2021

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

     

    Irene Aparecida Ferreira Mendes

  • A importância do ouvir no processo terapêutico Open or Close

    A importância do ouvir no processo terapêutico

    Hoje, escolhi essa frase que nos fala de algo tão importante e essencial para o processo terapêutico e para a vida: ouvir.

     

    Ao ouvir quem nos procura, ou nos procurará para fazer psicoterapia, podemos ampliar nosso entendimento sobre quem é aquela pessoa que está a nossa frente, como chegou até ali e, assim, podemos nos aproximar de quais são as suas dores, alegrias, dificuldades e potencialidades, seus desejos e receios. E, a partir disso, podemos fornecer um melhor acolhimento e diálogo para que a pessoa possa ampliar o entendimento a respeito de si mesma, acolher a si mesma e poder, aos poucos, promover transformações e mudanças na sua própria vida.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Vamos continuar refletindo sobre o ouvir ? Open or Close

    Vamos continuar refletindo sobre o ouvir ?

    Espero que o poema e a frase gerem reflexões frutíferas!!

     

    As Belezas do Ouvir
    Ouvir é algo para se admirar e algo precioso de se ver...
    Ouvir é: "Eu estou inteira e entregue a nossa relação terapêutica, e à construção desse espaço."
    Ouvir é: "Pode repetir que eu vou ouvir quantas vezes precisar."
    Ouvir é: "Eu quero acolher e entender a sua dor.", mesmo que não tenha vivenciado a mesma coisa."
    Ouvir é: "Eu acolho e legitimo seus sentimentos e dou espaço para eles se expressarem."
    Ouvir é: "Eu valorizo suas potencialidades e seus recursos interiores."
    Ouvir é: "Eu acompanharei ao seu lado a sua transformação."
    E o ouvir tem tantas outras funções e belezas...
    O ouvir pode amadurecer...
    O ouvir pode desenvolver...
    O ouvir pode lapidar preciosidades...
    O ouvir pode transformar...

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Escutar: um trabalho de esculpir Open or Close

    Escutar: um trabalho de esculpir

    Hoje escolhemos essa frase para falar novamente do escutar. Convidamos todos vocês a apreciarem a beleza dessa frase. Uma das reflexões possíveis que vamos propor aqui é que, ao ser escutada, a pessoa também se escuta e tem a possibilidade de narrar sua história e, muitas vezes, ao narrar novamente um fato, a pessoa tem a possibilidade de, nessa repetição, poder se aprofundar, e dar novos sentidos e significados à sua história, sendo, a cada dia mais, protagonista dela.

     

    Um outro aspecto interessante a ser colocado é que, como psicoterapeutas, ao "deixar o outro se esculpir na gente", somos facilitadores, acompanhamos um processo de transformação, e também estamos abertos a sairmos transformados do processo.

     

    Dessa forma, nesse trabalho de esculpir, que é tão valioso e precioso, ambos saem transformados, tanto aquele que é escutado quanto aquele que escuta.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

     

    Irene Aparecida Ferreira Mendes

  • Vamos falar sobre o amor? Open or Close

    Vamos falar sobre o amor?

    Escolhi essa frase de Guimarães Rosa, de tamanha beleza, para pensarmos sobre o amor. Mas um amor em um sentido específico e, ao mesmo tempo, amplo.

     

    Tudo tem amplas possibilidades de entendimento, porém hoje, ao dedicar-me à leitura dessa frase, quero que pensemos sobre como o amor é um "ingrediente " fundamental para o nosso desenvolvimento psíquico.

     

    Refiro-me ao amor pela busca, pela travessia, por cada passo que damos em direção à transformação interior e isso é algo que pode ocorrer diariamente.... É o amor pela nossa própria alma, por aquilo que ainda não conhecemos nela, pelo que ainda vamos conhecer e pela oportunidade de estabelecermos conexão com o que há de mais profundo nela...

     

    É o amor pelo processo, por cada instante da jornada, por cada oportunidade de nos aprofundarmos conosco e, a partir disso, também na relação com o outro...

     

    Podemos pensar também que o amor não deve ser somente em relação às partes consideradas "positivas", isto é, temos que tentar cultivar o amor para acolher nossa dor e a dor do outro que está à nossa frente, quando possível!

     

    Vamos cultivar o amor pelo nosso interior e nossas possibilidades de transformação e, assim, também contribuir cada vez mais para o mundo que nos cerca?

     

    Ótima reflexão a todos!

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

     

  • A primavera e o interior de cada um de nós Open or Close

    A primavera e o interior de cada um de nós

    Ontem, iniciamos a primavera! E escolhemos essa frase de Clarice Lispector, para um convite à reflexão! Ao meu ver, ela nos fala de algo muito importante, que é a coragem de entrar em contato com as dores e feridas que existem dentro de nós.

     

    A primavera é uma estação do ano onde há possibilidade do florescer e da renovação.

     

    Vou realizar aqui uma analogia disso com o nosso interior. Às vezes, passamos por invernos rigorosos, dores, tempestades, dúvidas e lágrimas! Isso tudo é muito difícil. Mas hoje também quero propor uma visão criativa: todo esse inverno, falado anteriormente, pode contribuir para "irrigação" desse interior e deixá-lo mais fértil para que novas flores possam nascer.

     

    Que cada um possa ter esperança e apreciar, da melhor maneira possível, o desabrochar de suas flores, únicas e singulares!

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Vamos conversar sobre Saúde Mental? Open or Close

    Vamos conversar sobre Saúde Mental?

    Hoje, dia 10 de outubro, é o Dia Mundial da Saúde Mental, o qual foi instituído em 1992 pela Federação Mundial de Saúde Mental.

     

    Uma das reflexões que gostaria de propor nesse dia é que a saúde Mental é algo que devemos nos atentar a cada dia e ao longo das diferentes fases da vida.

     

    Pode-se pensar que a Saúde Mental seria alcançada quando temos a capacidade de dialogar com as diferentes partes da psique, com os aspectos conscientes e inconscientes e com o ambiente em que estamos inseridos. Dessa forma, a Saúde Mental é algo que sempre podemos ampliar, e devemos estar atentos.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Reflexões sobre o dia Internacional da luta da Pessoa Com Deficiência Open or Close

    Reflexões sobre o dia Internacional da luta da Pessoa Com Deficiência

    No dia Internacional da luta da Pessoa Com Deficiência e em todos os outros, também precisamos falar sobre Desejos.

     

    Desejamos que a voz de cada Pessoa com Deficiência ecoe por todos os cantos...

     

    Desejamos que cada vez mais as Pessoas com Deficiência possam se colocar no mundo e ampliar a participação nos mais diversos espaços...

     

    Desejamos que os temas relacionados às Pessoas com Deficiência ganhem cada vez mais visibilidade para que essas pessoas e suas famílias não se sintam sozinhas nessa luta...

     

    Desejamos que as diferenças sejam abraçadas, as dificuldades acolhidas, e as singularidades e potencialidades, exploradas e desenvolvidas...

     

    E para que desejamos tudo isso?

     

    Para que cada Pessoa com Deficiência seja feliz, livre e expresse o máximo possível do potencial que há dentro de si.

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

  • Carta a 2022 Open or Close

    Carta a 2022

    Oi, 2022. Você já está batendo à porta de cada de um nós. Seja bem vindo, pode entrar!

     

    Enquanto estou aqui, sentada, escrevendo essa carta para você, fiquei pensando naquela tradicional música que algumas pessoas cantam quando o próximo ano vai chegar. Assim é o começo da música: "Adeus ano velho, feliz ano novo". Realmente é importante que possamos nos despedir do ano que se vai e ver quais os desejos que brotam do nosso coração para o próximo ano.

     

    Porém 2022, se me permitir, eu queria ampliar essa reflexão nessa carta para você. Acredito que não podemos dar um adeus definitivo ao Ano Velho, e sim, devemos olhar para ele e ver aquilo que podemos fazer de diferente no próximo ano, e também refletir sobre as experiências que tivemos e como pudemos ser transformados por elas.

     

    Querido 2022, vou usar novamente a imagem da árvore para pensarmos sobre a sua chegada.

     

    Uma árvore, em seu tronco, tem algumas marcas, que podem denotar a passagem do tempo. Nós também temos, dentro de nós, as marcas das experiências que já vivemos em todos os anos que já se passaram em nossas vidas e isso também nos forma como pessoa, e nos relembra do percurso do nosso desenvolvimento, em vários âmbitos.

     

    2022, que você nos permita plantar e regar as novas sementes, com ingredientes que considero muito importantes: amor, esperança, coragem e paciência. Porém, é importante que acolhamos os outros sentimentos, quando eles estiverem presentes.

     

    Que também não nos esqueçamos das sementes que já vivem dentro de nós, porque elas precisam de cuidado e atenção.

     

    Que lembremos que cada árvore é única e tem sua beleza, e que possamos respeitar e prestar atenção ao ritmo e ao compasso, sobretudo, do nosso interior.

     

    2022, desejo que, ao vivenciarmos você, possamos, através da relação com as outras pessoas, enriquecer nossa árvore e fazer com que ela ganhe mais galhos, flores e frutos, e possa se desenvolver.

     

    2022, quero que, mesmo quando enfrentarmos ventos e invernos rigorosos, consigamos continuar regando e fortificando nossa árvore interior, acreditando em nossos potenciais.

     

     

    Thaís Mendes Sinibaldi

Rua Joel Jorge de Mello, 427 - Vila Mariana - CEP: 04128-080 - São Paulo - Próxima ao metrô Santa Cruz
Horários: segunda a quinta das 8h às 21h | sextas das 8h às 20h | sábados das 8h às 14h